Som Alternativo

Black Country Communion – “Black Country” (Mascot, 2010)

Os “super-grupos” são “coisa” criada no final dos anos 60 (Cream, Blind Faith ou CSN&Y) e que tiveram o seu auge na década seguinte (ELP, BBA ou Bad Company). No entanto, este “fenómeno” foi quase varrido da face da terra aquando do advento Punk e da New Wave e poucos foram os artistas que arriscaram e conseguiram criar alguma coisa útil ou douradora. Na maioria dos casos, e como é sabido o conflito de super-egos é aquilo que normalmente arruína este tipo de super-projectos. Veja-se o caso de bandas mais recentes como os Audioslave ou os Velvet Revolver (ainda à espera de vocalista) que ao fim de dois ou três discos se esgotaram em ideias e energia. Nunca é fácil aguentar os pés no “topo da montanha”!
Mas também há o caso de quem consiga conter o seu ego e arranje maneira de extrair da “experiencia” algum gozo “da coisa”. Foi o caso dos “Chickenfoot” formado por ex-membros dos Van Halen (Sammy Haggar, Michael Anthony) coadjuvados por uma pitada de Red Hot Chilli Peppers  (Chad Smith) e dos talentos do mago Joe Satriani. Ou até num patamar ainda mais elevado dos Them Crooked Voltures (Jones, Grohl e Homme). Em ambos os casos, o primeiro disco vendeu razoavelmente, a digressão acolheu boas críticas, mas ninguém sabe quais serão as probabilidades de continuar.
É precisamente o caso dos Black Country Communion, criação do astuto produtor Kevin “The Caveman” Shirley (Rush, Iron Maiden, etc) que um belo dia assistiu a uma ”jam” entre o ex-Deep Purple, Glenn Hughes e um dos melhores guitarristas da actualidade: Joe Bonamassa. A química entre os dois músicos era demasiado preciosa para ser desperdiçada. Vai daí, não tardou que Shirley convidasse o baterista Jason Bonham, filho do lendário John dos Led Zeppelin a juntar-se aos “Black Country”.
Mais tarde surgiu o nome de Derek Sherenian (ex-Dream Theater) para o lugar de teclista por recomendação de Bonamassa que achava que faltava algo ao “power-trio” inicial. Com uma super- formação destas, o quarteto passou uma boa parte do ano passado a ensaiar e a grava sob a supervisão. Um disco, que quase nem esteve para ver a “luz do dia”.
Primeiro foi a designação de “Black Country” (termo de baptismo da zona industrial das “Midlands”, Inglaterra, dos quais Bonham e Hughes são naturais) que teve de ser retirada pois já havia uma banda com esse nome e que os ameaçou com um processo litigioso em tribunal. Depois foram os habituais super-egos e os conflitos entre os diversos managers de cada membro a “fazer das suas” com variadíssimos conflitos a emergir entre as sessões de gravação. Um stress que fez com que Shirley escrevesse há alguns meses no seu blog: que o projecto teria muito poucas hipóteses de continuar!
Superadas as questões egoísticas (como quem diz, dinheiro e percentagens de lucro), os Black Country Communion editam agora o seu primeiro disco. E pode-se dizer que valeu a pena o esforço, o sofrimento e o egoísmo. Com um som que é no fundo uma amálgama dos diferentes estilos de cada membro, “Black Country” (o disco) é uma obra bem esgalhada que irá fazer as delícias de todos os apreciadores do género hard-rock!
Oiça-se o tema de abertura, o pesado e rápido “Black Country” (a música) com um Glenn Hughes (do alto dos seus 59 anos), a evidenciar uma excelente forma vocal e Joe Bonamassa a transformar os seus habituais Blues em algo muito mais imediato e pujante!
Segue-lhe o mais melódico “One Last Soul”, um tema perfeitamente talhado para as rádios e MTV se estas tivessem coragem de pegar num tema com um grande solo de guitarra. Mas, a honra para a melhor canção do disco é sem dúvida: “The Great Divide”. Uma grande Música (com “M” grande) que contêm todos os melhores elementos que um grupo com este calibre consegue entregar: emoção, paixão, melodia e grandiosidade. Sem dúvida: um dos grande “momentos” do Rock neste principio século!
Outro grande momento de inspiração roqueira é “Sista Jane” cantado por Hughes e Bonamassa e que ao vivo deverá ser pretexto para uma longa jam épica à boa moda dos velhos Deep Purple.
Falando nos bons velhos Purple, para os fãs da famigerada “MK IV”, da qual Hughes fez parte há também aqui motivos para sorrir. Temas como “Down Again”, “Beggarman” e “Stand (at the Burning Tree)” transpiram um pouco a esse aroma “soul n´ funky” dessa curta mas importante fase da história dos Purple. Até o “Hammond” de Derek Sherenian tem algumas reminiscências ao “velho” Jon Lord.
Falando no passado, há também uma surpresa sob a forma de “Medusa” dos Trapeze (o grupo “pré-Purple” de Hughes). Uma revigorante nova versão, com um Bonamassa electrizante no seu trabalho de guitarra. É ele que também assina os vocais uns dos temas mais pesados do disco: “The Revolution in Me”. Com um cheirinho a Hendrix e Zeppelin pelo caminho.
A fechar, mais duas composições sublimes: o orquestral “Songs of Yesterday” e o épico “Too Late for the Sun”. Esta última com 11 minutos de pura desbunda cósmica/progressiva, com destaque para o trabalho de Sherenian.
Com estes argumentos é impossível escapar a um disco que tem tudo para dar certo. É Rock é Soul, é Funk, é Blues, é Heavy, é épico, é apaixonante, é um disco do caraças! Um “daqueles” que já se pensava que não se faziam! Tudo muito bem doseado e sem excessos. Um novo Clássico do Rock assinado por velhos músicos de Rock Clássico.
Uma saga que deverá conhecer novos capítulos, embora com algum termo de reserva quanto à sua longevidade. Ou não fosse este mais um super-grupo…
(10/10)

Like this Article? Share it!

About The Author

Deixa-nos a Tua Opiniao